Sunday, February 19, 2006

APENAS UM CENTURIÃO


Linus estava nervoso, arrumou pela milésima vez a roupa de centurião, as placas que imitavam dourado, ajeitou a capa sobre o ombro musculoso e o capacete de plumas na cabeça.

Os outros da ala espalhavam-se pela concentração, a maioria dando entrevistas para as estereovisões do mundo todo.

Desagradava-lhe esta confusão em torno deles.
Teria preferido o anonimato discreto de uma ala qualquer, mas fora impossível.
Sua altura chamava atenção, elevando-o sobre a multidão de passistas, alcançando a ponta da bandeira que a mulata levava ao lado do mestre-sala.

Do alto dos seus dois metros, procurava aquela que roubara seu coração - rainha da bateria do Novo Rio desfilara antes dele e, agora, com certeza, estaria ali, em algum lugar das arquibancadas.

Queria que o assistisse, acreditasse que também pertencia a seu mundo, compreendesse que não era tão diferente quanto sua frieza delimitava, separando aquele espaço feérico do núcleo partido de seus dias cinzentos.

O diretor de harmonia empurrou-o com violência em direção aos centuriões que se arrumavam.

- Olha a hora!... olha a hora!...

Foi rebocado, com outros retardatários e tomou lugar em frente ao carro do Fórum Romano.

Diante dele estendia-se a serpente da escola formada, toda a multidão anônima, que antes corria de um lado para o outro, esperando o apito do diretor e o puxador do samba para iniciar o desfile.
O baticum da bateria estrondava em seus repiques, pandeiros, surdos, tamborins e cuícas.

- Todo mundo cantando o samba... vamos lá!... não quero ninguém calado...

Obedientes, Linus e seus colegas de ala, cantavam acompanhando a escola e o comando da bateria.

Quando alcançaram o início da passarela, e ele viu os milhares de espectadores espremidos em camarotes e arquibancadas, ouviu o troar dos aplausos, e as ventarolas agitadas, sentiu uma coisa estranha - parecia ser emoção.

Focalizou os assistentes e descobriu o corpo desejado, na tanga mínima que acentuava a forma escultural.

Animado pelo amor, iniciou com os outros a coreografia ensaiada.

Mas o vento que castigava a Avenida, o excesso de carga, ou a inveja de algum deus pagão fez desprender um cabo de energia que sustentava a decoração.

Partido, desceu com violência e atingiu o centurião que passava abaixo dele. A faísca se espalhou entre o restante da ala, através das mãos unidas, iluminando a rua e tornando fosforescente todo o grupo..

Com olhos que desmaiavam, Linus viu a admiração no rosto amado, acenando para a destruição.

Pela primeira e última vez ela entendeu ? tarde demais, cedo demais, no tempo certo ? carnaval

Das arquibancadas, dos camarotes, das cadeiras, a multidão delirava com os efeitos especiais, enquanto a primeira ala de robôs semi-humanos agonizava na avenida, no meio dos fogos, luzes, aplausos, gritos e do rubro sangue artificial que escorria pela calçada e se perdia nos porões da indiferença

A bateria pontuava as sirenes e o confete salpicava o drama com sua colorida máscara de frieza.

5 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Belo texto Mhel, claro e dramático, bem ao seu estilo. Que "sorte" a do cara hem? Tudo a ver com as tragédias gregas, hehehe!

José Mattos

10:32 AM  
Blogger Nina said...

Querida Mhel
As grandes tragédias são patéticas, não? Com precisão cirúgica vc descreve o triste paradoxo do centurião: o de descobrir-se vivo na hora da morte.
Muito bonito, muito triste.
parabéns,
Nina

12:41 PM  
Blogger Samuel said...

Que Dionísio a tenha sempre sob sua proteção e iluminação, ninfa afronórdica.Quanta beleza numa tragédia, quanta tragédia no épico momento de um anônimo herói de uma festa que já foi celebração da carne e hoje...

12:15 PM  
Anonymous Nariz Gelado said...

Hum..bem...O Gilberto Freyre dizia que toda a experiência do corpo é também experiência da alma.
Será?

Bjs
NG

6:42 AM  
Blogger MilaF said...

Só uma palavra pra isso: UAU.
Beijos sem eloqüência da leitora impressionada,

7:29 AM  

Post a Comment

<< Home


Web Hosting Services